Curso: A história do Jazz em três jam sessions – das origens ao bebop

por Leandro Oliveira

A primeira gravação da Dixieland Original “Jass” Band, em fevereiro de 1917, é considerada o momento inaugural para o Jazz como gênero. Com aquela gravação, o Jazz ganha a referência básica a qual público, critica e estudiosos recorrem para a discussão objetiva da sua rica história.

Anos mais tarde, o band leader Paul Whiteman faz uma importante entrevista na qual revela parte de sua versão da história.

Essas e outras referências serão levadas apresentada e discutidas no curso “A história do jazz em três jam sessions – das origens ao bebop” que será ministrado no Josefine Coworking, na Vila Mariana nos dias 4, 5 e 6 de dezembro. Informações em Ping Pong Cultural.

Confira aqui um trecho deste depoimento originalmente publicado em 27 de fevereiro de 1926:

“Havia todas as razões pelas quais o jazz deveria ter estourado ao toque de mais de cem band leaders em 1915. O tempo estava pronto para quase qualquer explosão – o espírito da guerra estava solto. Todo o tempo do país havia sido acelerado…. Toda fábrica estava ocupada por turnos noturnos e diários. Americanos – e o termo incluiu eslavos, alemães, orientais e latinos, soldados em uma grande massa, como se fossem as gigantescas máquinas que eles tendiam – viviam mais e mais rápido do que nunca. Eles não podiam continuar, sem uma nova saída. O trabalho não era suficiente. E a América ainda não descobrira como entreter; o país jovem, difícil e trabalhador, não tinha músicas folclóricas, nenhuma dança popular e urbana.

Um sujeito do ramo do entretenimento, Joseph K. Gorham, recebeu crédito por ter sido o primeiro a perceber as possibilidades do submundo negro. Gorham, um recém-chegado a Nova Orleans, ouviu um grupo de músicos tocando na rua para anunciar uma luta. Ele foi interrompido primeiro pela energia transpirante e grotesca dos quatro músicos. Eles tremiam, eles se agachavam, eles torciam suas pernas e braços magros, eles balançavam como loucos com sua fantástica plateia com um trombone, clarinete, corneta e tambor. Eles até arrancaram seus colarinhos, casacos e chapéus para libertar-se como que se por um frenesi de síncope. Enquanto um ouvinte negro que tilintava com os dedos dizia, eles tocavam “como se todos os demônios estivessem possuindo-os”.

Leandro Oliveira

Leandro Oliveira é autor do livro “Falando de Música: Oito lições sobre música clássica” (editora Todavia, 2020). Tem experiência internacional em transmissões de música clássica, e é responsável pela direção das transmissões da “Maratona Beethoven”. Realizou doutorado com pesquisa na área pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.