Dois clássicos

por Érico Nogueira

………………..

A luta pelos direitos das minorias, e pelo respeito às minorias, é assunto recorrente, diário, nas páginas dos jornais. Não é para menos: a despeito do inevitável sensacionalismo — vício aparentemente inextirpável na era dos “clicks” e “likes” —, o tema é candente porque as agressões são prementes, e porque em pleno século XXI pessoas de carne e osso ainda são ultrajadas e mortas por conta da cor da pele e da orientação sexual. Até quando, Catilina?

Fugindo a todo e qualquer sensacionalismo, porém, é justamente a matéria homoerótica que caracteriza e distingue dois dos melhores livros lançados neste ano biruta de 2020 — os quais, destinados à condição de clássicos da literatura em língua portuguesa, seguramente vão transcender o ano louco (e fortuito) de sua publicação. Refiro-me a Arte Nova (Patuá), última recolha de poemas do grande poeta Wladimir Saldanha, e O País das Luzes Flutuantes (Filocalia), primeiro romance do também grande poeta Marco Catalão.

Se a matéria homoerótica irmana esses livros, o gênero literário e as estratégias de composição não poderiam ser mais diferentes — embora ambos os dois, nas suas inconciliáveis diferenças, sejam obras de arte igualmente consumadas. Começo pelo livro de poemas.

…………………..

(Reprodução: Patuá)

……………….

Constante de cinquenta e três poemas de medida, extensão e assunto variado, Arte Nova — quinto livro de um dos mais cultos, finos, sensíveis e virtuosos poetas da língua portuguesa em atividade — é um longo elogio ao amor. Centrado na figura do efebo amado e adorado pelo homem maduro, o livro é todo ele abertura às delícias e epifanias do amor, razão por que nele pulsa uma vitalidade, uma urgência, uma afirmação do presente e da vida raras vezes alcançadas na língua de Camões. Ler um poema como “Enquanto o Mar nos Vaia”, que alucina e cativa já de início, ah…

……….

Recorta agora contra o mar teu rosto:

é bem ele o que cessa quando as ondas

continuam a se perder por gosto

em formas longitudinais, redondas

…………………..

que não param de ser… Já teu semblante

concentra alguma coisa que se gasta

em tanta agitação dessemelhante,

ao mar e ao coração dizendo basta.

………………..

Explica sem falar à paisagem —

o corpo é algo que foi dar na praia

trazendo a nós naufrágio e salvatagem:

………………..

dos gritos no escaler, por mais descaia

e quase vire, nasce a modelagem

de ser o que se é enquanto o mar nos vaia.

……………………………………

é uma das alegrias que redimem e consolam os leitores de poesia neste ano catastrófico que teima em não acabar. Agora vamos ao romance.

………………….

(Reprodução: Filocalia)

……………

Alternando, em seus vinte e dois capítulos, basicamente dois planos, tempos e técnicas narrativas distintas — isto é, um presente de início mais prosaico que se coloca em primeiro plano, e que se vai entrelaçando (e enriquecendo) com um passado ardentemente poético, que constitui o segundo —, O País das Luzes Flutuantes é magistral homenagem a grandes nomes da literatura japonesa como Eiji Yoshikawa e Yasunari Kawabata, entre outros, sendo também um sensível e alentado estudo ficcional sobre a imigração japonesa no estado de São Paulo. O enredo gira em torno da amizade despretensiosa, fundada no jogo de gô, entre um menino brasileiro sem ascendência japonesa e o senhor Yasuro, seu vizinho — o qual, talvez farejando nele o futuro escritor do romance, lhe deixa um manuscrito em que conta sua literalmente inefável, indizível história de amor. Narrado em estilo elegante e lapidar — uma exceção, uma dádiva em meio ao pobríssimo fraseio jornalístico da quase totalidade dos romances brasileiros contemporâneos —, o livro tem tal densidade filosófica, e patenteia compreensão tão profunda da aventura humana, que, como disse, está seguramente destinado à categoria dos clássicos. Assim como a inimitável Arte Nova.

São dois alentos. São duas esperanças. Feliz Natal e Boas Festas.

……………..

……………

Érico Nogueira

Érico Nogueira é tradutor, ensaísta e professor de língua e literatura latinas na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Capa da prestigiosa revista The Warwick Review em 2014, foi finalista do Prêmio Jabuti pelos livros Poesia Bovina (2014) e Dois (2010), além de ter recebido o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura por O Livro de Scardanelli (2008).