Editorial: Tempos interessantes

………

« Nous n’appartenons à personne sinon au point d’or de cette lampe inconnue de nous, inaccessible à nous qui tient eveilles le courage et le silence. »

(“Pertencemos a ninguém, a não ser ao ponto dourado da luz daquela lâmpada que nos é desconhecida, inacessível, e mantém despertos a coragem e o silêncio.”)

..

René Char, Feuillets d’Hypnos

……..

Detalhe de Sunset at Turner’s Cove, J.M.W. Turner

.

Neste maio, o Estado da Arte completa três meses de retomada de suas atividades.

Parece seguro dizer que todos já devem conhecer a apócrifa história da maldição chinesa, segundo a qual o sábio pedia às divindades que fosse poupado de viver em tempos interessantes. Também parece seguro dizer que as divindades não nos pouparam.

Conheci a anedota da maldição chinesa quando li pela primeira vez, já há uns anos, a transcrição de uma conferência de Albert Camus, intitulada L’artiste et son temps. Em 1957, na Suécia, Camus refletia exatamente sobre o papel do artista em seu tempo. Afinal, como a nossa, também a sua geração havia sido condenada pelas divindades a tempos interessantes.

Qual é o papel do artista em tempos interessantes, afinal? Como Camus dizia à época, aquele que se manifesta é atacado, criticado; aquele que se cala, por modéstia ou covardia, é declarado culpado pelo silêncio. Seja como for, em tempos interessantes, o fato inescapável é que todo artista acaba embarcado no navio de sua época. Querendo ou não.

……

Albert Camus

….

Surge aí um dilema. Em tempos interessantes como aqueles, como os nossos, surge no artista a dúvida sobre a necessidade de sua arte. “Em 1957”, dizia Camus, “Racine pediria desculpas por escrever Bérénice em vez de lutar pela defesa do Édito de Nantes.” Hoje, é certo que as lutas seriam outras, mas arrisco dizer que, em 2020, Racine pediria desculpas por ter escrito Bérénice.

A reflexão poderia ser adapatada para muito além do mundo das artes. Qual é o lugar da reflexão intelectual, do exame crítico das ideias, do engajamento civilizado e responsável com o pensamento — justamente em nosso tempo, em que, dia após dia, perdemos a conta do número de escândalos, de terremotos políticos, de indecências, de notas de repúdios, de mortos?

Volto-me à reflexão de Camus, o moralista relutante que nunca se vendeu a abstrações ou à opinião presumida da intelligentsia (ao que parece, no círculo intelectual da França de sua época, ser moralista era dizer a verdade):

…..

Por um lado, é esperado que o gênio seja esplêndido e solitário; pelo outro lado, que se pareça com todos. Ora, a realidade é mais complexa. Balzac sintetizou em uma frase: ‘O gênio parece-se com todos e ninguém se parece com ele’. O mesmo é o que acontece com a arte, que não é nada sem a realidade e sem a qual a realidade é insignificante. Como, afinal, a arte dispensaria o real, e como poderia ser subordinada a ele? O artista escolhe seu objeto tanto quanto é escolhido por ele. A arte, de certa forma, é uma revolta contra tudo que é transitório e inacabado no mundo. Portanto, seu objetivo é o de dar outra forma a uma realidade que é ainda forçado a preservar, na medida em que ela é a fonte própria de sua emoção. Nesse sentido, somos todos realistas e ninguém o é. A arte não é nem rejeição nem aceitação completa do que existe. É, ao mesmo tempo, recusa e aceitação, e é por isso que deve ser um corte em renovação perpétua. O artista está sempre nessa ambiguidade, incapaz de negar o real e, no entanto, eternamente condenado a desafiá-lo naquilo que ele tem de eternamente inacabado.

….

O Estado da Arte confessa aqui essa ambígua ambição: dar lugar à arte, à cultura e às ideias sem, contudo, subordiná-las à aceitação imediata das circunstâncias de nosso presente. Não queremos negar essas circunstâncias: trata-se de um equilíbrio complexo, que traz para o domínio da reflexão intelectual e cultural, do ensaísmo incentivado e publicado pelo Estado da Arte, a ambiguidade do artista, tal como constatada por Camus, em que a realidade é sempre desafiada, uma vez reconhecida sua condição “inacabada”. Deriva dessa posição sutil a combinação de interesses por análises e reflexões mais detidas sobre os temas do momento, de um lado, e a perpétua convicção de que o que mais vale é o que vale sempre: a grande arte, a melhor poesia, as melodias inesgotáveis.  Nas análises do momento, não legislar; compreender. Na aposta na arte, compreendê-la como um obstáculo à mistificação da realidade.

Essa ambição é concretizada pelo trabalho de nossos colaboradores, os autores que tornam isso tudo possível e permitem esta fina sintonia: entre publicações de análiseintervenção (das quais temos mais de um exemplo), e textos que remontam à melhor tradição do ensaísmo cultural que nada deve às circunstâncias.

Como o Estado da Arte sempre foi, afinal — com as novidades necessárias para que siga sendo. Novidades como o retorno do Estado do Cinema, do Poesia em Casa e das entrevistas com acadêmicos de excelência; como as lives no Facebook, como a parceria com novas editoras, como as outras boas coisas que virão. Afinal, enquanto houver leitores verdadeiros, estaremos aqui: num espaço absolutamente gratuito, de livre acesso e livre discussão de ideias. Sem consentir, sem aquiescência: seja ao poder, qualquer poder, sempre transitório, seja aos encantos da opinião que se pretende esclarecida e, hoje, na busca pela crítica como fim em si mesmo, obrigaria Racine a um pedido público de desculpas. Se isso é ser crítico, ficamos com Racine.

Há, sempre haverá leitores.

…………..

Gilberto Morbach

……..

Detalhe da Bérénice de Philippe Chery (Bibliothèque des arts décoratifs, France Culture)

……..