LiteraturaO Cânone em Pauta

‘O Senhor dos Anéis’ de J.R.R. Tolkien

………………

…………………..

(Reprodução)

Em nossa época marcada pela desmitologização das crenças tradicionais, pelo relativismo moral e, na literatura, pelo questionamento e mesmo a ridicularização do heroísmo, é surpreendente que um professor de filologia tenha não só ambicionado criar uma mitologia para sua nação, mas também repaginado a figura do herói aventureiro e não contente imaginado, com uma riqueza de detalhes jamais ultrapassada antes ou depois, todo um mundo, povoado, como no nosso, por homens, mas também por elfos, anões, feiticeiros, monstros e espíritos perversos, um deles com o poder para “todos governar … para encontrá-los … para todos trazer e na escuridão aprisioná-los.” O maior conto de fadas de todos os tempos narra o combate da coalizão de forças que quer conquistar contra a que quer destruir a fonte desse poder, um anel que o Destino pôs nas mãos de um Hobbit e seus companheiros, criaturinhas pastoris de pés peludos e aspecto de criança.

Com mais de 1.300 páginas e meio milhão de palavras, a sua locução toma por volta de 50 horas, metade da Bíblia e mais do que a Ilíada, a Odisseia e a Eneida juntas. Em 2003 a BBC lançou uma enquete entre leitores de língua inglesa para que escolhessem o maior livro do século XX. Por uma larga margem o Senhor dos Anéis venceu. Três vezes a enquete foi ampliada: para um público mundial, no cyberespaço via Amazon.com e mesmo para o maior livro do milênio. O mesmo campeão venceu todas as vezes. Brian Atterbery, especialista em literatura fantástica, perguntou-se como defini-la e respondeu: “é uma série de textos que se parece mais ou menos com O Senhor dos Anéis”. Mas a crítica se divide. Para Edmund Wilson e tantos outros é “lixo juvenil”, e mesmo um colega de Tolkien em seu clube literário de Oxford teria exclamado durante a leitura dos manuscritos “Porra, mais um elfo!” Mas para outro colega, C.S. Lewis, ele mesmo um grande fantasista, “se Ariosto rivalizasse (o que de fato não faz) ainda lhe faltaria a sua seriedade heroica.” O poeta Wystan Hugh Auden admirava o seu domínio do material épico e declarou que em certo sentido Tolkien “foi bem-sucedido onde Milton falhou”.

Embora intencione francamente entreter, o romance, segundo Tolkien, expressa preocupações metafísicas atemporais, como “a Queda e a Mortalidade”, mas também singularmente contemporâneas, como a “Máquina”. Mesmo desconfiado das alegorias, ele sugeriu que se a sua história fosse uma, seria do Poder. Mas talvez o mais surpreendente de tudo, mesmo para boa parte de seus fãs acostumados a vibrar com heróis inspirados nas sagas pagãs germânicas, é a declaração de Tolkien de que a obra é “por óbvio… fundamentalmente religiosa e católica”. O que se esconde por trás dessas afirmações? Como explicar o sucesso do livro?

………..

…………

Convidados

Cristina Casagrande: mestre em Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo com a dissertação “A Amizade em O Senhor dos Anéis”.

Diego Klautau: doutor em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo com a tese “Paidéia Mitopoética: A educação em Tolkien”

Reinaldo José Lopes: doutor em Estudos Linguísticos e Literários em inglês pela Universidade de São Paulo e tradutor de A Queda de GondolinSilmarilionO Hobbit.

…………..