Poder e sentimentos na política

“Remendar fios rompidos ou refazer compromissos que não foram concluídos talvez só seja possível pela refundação. Arendt, porém, citando Maquiavel, lembra que não há nada mais difícil, nem mais duvidoso, nem mais perigoso do que ‘iniciar uma nova ordem de coisas’.” Um ensaio da Prof. Adriana Novaes sobre o poder e os sentimentos na política, na parceria do Estado da Arte com o projeto Bolsonarismo: Novo Fascismo Brasileiro, desenvolvido pelo Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo/PUC-SP, o Labô.

Read more

O Eichmann de Hannah Arendt

“O que é distintivo em Eichmann, acima de tudo, é a sua incapacidade de avaliar as consequências devastadoras de seus atos, mesmo quando consideradas instrumentalmente como meios de autopromoção. O seu déficit moral, por assim dizer, se assenta na sua incapacidade de avaliar a desproporção entre estes dois termos: eficiência na sua função (aliada ao reconhecimento público) e a consequente destruição gratuita (que vai contra tudo o que já pôde conceber mesmo o utilitarismo mais rasteiro).” Na estreia da ANPOF com o Estado da Arte, um ensaio do Prof. Adriano Correia sobre o Eichmann de Hannah Arendt.

Read more

Especial Polônia: Miłosz entre as ruínas

Dando continuidade ao especial Estado da Artededicado à cultura, à história e à política na Polônia, publicamos esta resenha de David

Read more

O novo liberalismo brasileiro: imposturas e impasses

É, de fato, um prodígio que, em dois milênios, tenhamos estendido o ideal da liberdade de um luxo reservado a uma minoria de cidadãos em alguns potentados antigos escravagistas a direito e condição inalienáveis das massas pós-industriais.

Read more

Não faça de seu tweet uma arma

De posse de informações públicas, compartilhadas, aí sim podemos nos dirigir aos representantes de modo altivo, de igual para igual; enquanto isso, somos tutelados. Um governante que não publica seus atos é antes de tudo um fraco, pois só aceita entrar no debate público escudado pela desinformação dos interlocutores.

Read more

O discurso tartamudo da ideologia

Se é certo que Boécio, em meio a torturas e esperando sua execução, expulsou logo de início as Musas e tomou para seu consolo a filosofia, visto que considerava a poesia inepta para assuntos de grande monta como a morte, também é igualmente seguro dizer, como Gustavo Corção, que somente a poesia, como em Dante, é capaz de nos guiar em meio aos infernos.

Read more

Uma Nota de Rodapé – O papel dos professores na espetacular crise do ensino público brasileiro

No filme Footnote de Joseph Cedar aprendemos que um sábio só não pode invejar duas pessoas: seu filho e seu aluno. Essa proibição tortura um frustrado estudioso que vê seu filho despontar como intelectual popular.

Read more

A eleição de Donald Trump e a oposição ao desespero

No dia nove de novembro de 2016, despertamos com Donald Trump eleito presidente dos Estados Unidos. Não bastasse a gravidade dessa notícia, as reações individuais ao resultado das eleições norte-americanas deixaram muito a desejar.

Read more

Enem, invasões e romantismo: a canção da violência política

William Golding, no clássico O Senhor das Moscas, nos ensinou uma lição importante e inesquecível sobre a natureza das crianças e, consequentemente, sobre os seres humanos: “que engraçado é achar que a Besta é algo que podem caçar e matar”.

Read more