Antipolítica como projeto

“Chamem-no de homofóbico, racista, misógino — só não podem chamá-lo de corrupto”. Por Pedro Augusto Pinto, uma análise da evolução de algumas constantes discursivas que acompanharam, na última década, a gestação e o desenlace de uma crise que implicou não a superação de suas causas estruturais, mas, pelo contrário, justamente o seu reforço.

Read more

O conceito de ironia, constantemente referido a Bolsonaro

“Eis o cruzamento entre ironia e fascismo. Diante de múltiplas verdades e mentiras, em meio a um infinito jogo de espelhos, tornamo-nos suscetíveis à mistificação. Embora em desuso, o termo é simples: trata-se de tornar algo banal em uma coisa obscura, divina ou mágica. Ou, a título de exemplo, trata-se de tornar um chulo capitão de infantaria em uma espécie de mito, detentor de virtudes heroicas: sua vulgaridade sugere a franqueza; sua inépcia, simplicidade; suas polêmicas, bravura e martírio. Como o sedutor silencioso e irônico, no qual projetamos todas as qualidades que desejamos, personagens da laia de Jair Bolsonaro são capazes de catalisar as projeções políticas de seu eleitorado, confundindo-as e dissolvendo-as na sua própria personalidade.” Para Pedro Augusto Pinto, Jair Bolsonaro é “o melhor exemplo disponível no mercado” para ilustrar o conceito de ironia em Søren Kierkegaard.

Read more