É preciso enxergar o fascismo além do “Fascista!”

“Passar do jogo acusatório que aponta “fascista!” e ir para a identificação do fascismo eterno parece ser um passo fundamental”, diz Rodrigo Toniol. “Afinal, nessa disputa o problema não é o jogador, mas o jogo que estamos tendo que jogar.” A análise de Rodrigo Toniol, em uma publicação do Estado da Arte com o projeto Bolsonarismo: o Novo Fascismo Brasileiro, do Labô/PUC-SP.

Read more