O Cânone em Pauta: O Épico de Gilgamesh

…………………………………..

……………….

(Wikimedia Commons)

…………………..

Gilgamesh nasceu, a um tempo, mais de dois mil anos antes de Cristo e quase dois mil anos depois. Após seu reinado na cidade de Uruk, na Mesopotâmia, foi praticamente inexistente para nossos ancestrais desde os tempos de Moisés ou Homero até o século XIX, quando sua história cunhada em tabletes foi exumada dos escombros da antiga Nínive, hoje no Iraque, e decifrada em Londres. Apesar de não ser o primeiro fragmento literário nem narrativo, pela sua potência e amplitude, ela foi consagrada como a “História mais Antiga do Mundo”. É também das mais abrangentes, contendo tudo o que faz uma história apaixonante — batalhas, sexo, monstros, aventuras, mágica, lealdade, morte – mas explorado com uma profundidade raras vezes igualada por todas as histórias que vieram depois. Os leitores modernos viram nela uma precursora das questões mais polêmicas da contemporaneidade: da preservação ambiental à legitimação do amor homossexual até a emancipação dos oprimidos. Não por acaso, os sumérios conheciam Gilgamesh como “Aquele que supera todos os reis” e os acádios como “Aquele que o abismo viu”. Como aos descendentes de Noé, lhe foi dado ver a destruição cataclísmica da raça humana; como os grandes heróis da antiguidade, ele foi filho de deuses e homens; como Heitor ou Aquiles, foi o maior guerreiro de seu povo; como Ulisses, percorreu os confins do mundo, mas não só para retornar à sua casa, e sim, como Enéias, para criar uma civilização; como eles, e Dante, atravessou o mundo dos mortos; como Fausto e o jagunço Riobaldo do Grande Sertão, transacionou com forças demoníacas para ultrapassar os limites humanos; e, como este último, tocou a imortalidade através do amor do melhor amigo e ao preço de sua morte. No preâmbulo, o poeta nos assegura que ele foi um titã em força e sabedoria. Mas tudo o que vemos em sua história é um tirano impiedoso com seu povo, ímpio com os deuses, impudente com as mulheres e imprudente com a natureza, que sacrificou a vida do seu amigo por um capricho; menosprezou as virtudes da vida familiar; abandonou suas responsabilidades para viver como um vagabundo selvagem; perdeu um elixir prodigioso por desleixo; perseguiu soluções quiméricas para o mistério da vida; e, na hora extrema, a ponto de receber a verdadeira resposta, foi incapaz de ficar acordado por mais de 5 minutos e dormiu como uma criança.

……………….

Fragmento de tábua do Épico de Gilgamesh no Museu Sulaymaniyah (Wikimedia Commons)

……………….

Convidados

……………….

Jacyntho Brandão, Professor emérito de letras clássicas da Universidade Federal de Minas Gerais e tradutor da Epopeia de Gilgámesh.

Katia Pozzer, Professora de história da arte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenadora do Laboratório de Estudos da Antiguidade Oriental.

Marcelo Rede, Professor de História Antiga da Universidade de São Paulo e autor de Família e Patrimônio na Antiga Mesopotâmia.

…………..

…………..

…….

…..

…..

……

……….