A morte de Joseph Haydn

por Leandro Oliveira

Neste dia 31 de Maio, a comunidade internacional da música clássica lembra a vida e obra de Joseph Haydn, falecido no ano de 1809, em Viena.

Talvez o mais estimulante compositor do classicismo (em alguns termos, mais complexo e sofisticado que W. A. Mozart), Haydn nasceu em 31 de março de 1732, no pacato povoado de Rohrau (à fronteira da Hungria). A maior parte de sua produção, realizada no seio da corte da família Esterházy, marcou indelevelmente a música de seu tempo. Mozart e Beethoven, declaradamente, partem de seu legado na construção de seus respectivos catálogos, e muito da tradição dos grandes gêneros instrumentais – como a Sinfonia ou o Quarteto de Cordas – encontrou com ele o gênio necessário para sua verdadeiro maturação.

Neste dia de Corpus Christi, é decoroso salientar que, embora assinasse cada manuscrito com loas a Deus, foi apenas ao fim da vida, aposentado, que pode definitivamente dedicar-se à música religiosa – e peças como “As sete últimas palavras de Cristo na cruz” e seu oratório “A Criação” estão entre os pontos altos de sua produção.

Veja também:

https://www.teatrodomundo.com.br/extratos-da-correspondencia-de-franz-joseph-haydn-com-uma-confidente/

Leandro Oliveira

Leandro Oliveira é autor do livro “Falando de Música: Oito lições sobre música clássica” (editora Todavia, 2020). Tem experiência internacional em transmissões de música clássica, e é responsável pela direção das transmissões da “Maratona Beethoven”. Realizou doutorado com pesquisa na área pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.