O cinema de Joaquim Pedro – Parte 2 Macunaíma, que o Brasil engoliu

A primeira e, talvez, principal inventividade de Joaquim Pedro ao adaptar o livro, foi entender que o seu formato de rapsódia permitia-lhe desenvolver esquetes a partir de um tema central, com variações e abrindo a possibilidade narrativa de comentar de forma crítica o livro e a própria abordagem cinematográfica.

Ler mais

“Danton, o Processo da Revolução”: A tentação do bem no cinema de Wajda

Para Wajda, começa aí a sua desilusão com a revolução, porque não há possibilidade de criação artística sem liberdade. O cinema de Wajda é a defesa intransigente da arte de exprimir a própria liberdade de expressão.

Ler mais