Curando corpos, salvando almas: a peste e a Igreja

por Rodrigo Coppe

…….

As instituições religiosas foram afetadas diretamente pela pandemia da Covid-19. A magnitude desse impacto só pode ser comparada com aquele causado pela gripe espanhola no início do século 20, além de evocar a memória da Peste Negra que arrasou a Europa há setecentos anos. Igrejas, mesquitas, sinagogas e outros centros religiosos foram fechados em diferentes partes do planeta. Milhões de pessoas confinadas sem acesso aos cultos e serviços religiosos, a não ser remotamente. As religiões já vinham sendo impactadas por mudanças nessa esfera desde o surgimento da internet, que dá um passo para além do televangelismo e aprofunda as experiências religiosas “a distância”, levantando uma série de questões aos seus líderes.

…….

Médico à época da Peste (Wikimedia Commons)

…………

Analisando o fato religioso por uma perspectiva pragmática, sabemos que as religiões desempenham um papel social destacado no enfrentamento das vicissitudes da vida. No campo psíquico, colabora fornecendo-nos modelos a serem seguidos, que geralmente são experimentados no sofrimento e o sentido por ele revelado. Elas nos ajudam a encarar nossas dores, a situá-las num arco existencial mais amplo e profundo. Os mitos são verdadeiros porque funcionam. Desempenham seus papéis desde a pré-história humana e continuam agindo em nosso favor. Revivê-los nos faz experimentar a força dos seus significados, que espelham por sua vez vidas exemplares e feitos fabulosos. Em linguagem moderna, podemos afirmar que há aí um fator terapêutico. Não desejo encerrar o fato religioso e reduzir sua compreensão apenas a este elemento. São várias as teorias, de áreas diferentes das Humanidades, que buscam entendê-lo em suas manifestações diversas. Apenas na área da Psicologia podemos citar, entre outros, William James, Viktor Frankl, Gordon Allport, Otto Rank, Carl G. Jung e Sigmund Freud.

………..

Viktor Frankl

…………

O suporte psíquico oferecido pelas religiões nos períodos atravessados por epidemias foi acompanhado pela atuação direta de seus representantes no cuidado com os doentes. No caso ocidental, a Igreja Católica foi um ator social recorrente nos episódios em que as pestes surgiam e dizimavam as populações. Estudiosos que se dedicam ao tema discutem como a instituição se envolveu na história da formação dos hospitais como se conhecem hoje. Em Mending bodies, saving souls: a history of hospitals (Oxford University Press), Guenter B. Risse afirma que no século IV a Igreja começou a promover a criação em larga escala de hospitais para receber doentes, órfãos e pobres, além de hospedar estrangeiros, objetivo principal desses espaços naquele período. O espírito caritativo universalista, novidade do cristianismo, era o elemento fundamental que embalava a criação destes lugares de recolhimento. O autor lembra do papel desempenhado pelos monastérios nascentes entre os séculos 5º e 10º, que se tornaram centros de estudo e transmissão de textos médicos antigos, além das ordens militares estabelecidas no período das Cruzadas que administravam hospitais no continente europeu, com destaque para os Cavalieri di San Giovanni.

………

Guenter B. Risse

…………..

O turning point dessa atuação ocorreu com a peste bubônica do século 14 que, segundo estimativas, matou 30% a 60 % da população europeia. Os padres caminhavam por todos os lados oferecendo esperança e conforto aos doentes. Arriscavam-se e morriam pelo Cristo que encontravam nos acamados. Lois N. Magner afirma, em A history of medicine (Taylor & Francis), que o efeito da praga na Igreja foi profundo. A mortalidade entre os clérigos teria alcançado 50% entre 1348 e 1349. Em algumas áreas, monastérios, igrejas e vilas inteiras foram abandonadas. O que teria levado à ordenação de homens com menos qualificações e a posterior desmoralização do clero.

De acordo com John Kelly, em Great mortality. An intimate history of the Black Death, the most devasting plague of all time, de maneira geral, a taxa de mortalidade dos padres com a Peste Negra foi entre 42 a 45% mais alta do que as taxas da população em geral que é tida pelos estudiosos entorno de 30%. Visitar os doentes a fim de consolá-los frente ao desafio da doença e da morte os tornavam totalmente vulneráveis. Com o crescimento vertiginoso da doença e poucos padres, o papa Clemente 6º (1291-1352) declarou que os moribundos obteriam a remissão de seus pecados mesmo se não conseguissem confessá-los a um sacerdote. Digno de nota é a publicação pelo papa, em 1348, de duas bulas instruindo os cristãos a não responsabilizarem os judeus pela praga que assolava a Europa. Clemente 6º afirma que aqueles que os culpavam teriam sido “seduzidos por esse mentiroso, o diabo”. O gesto papal não impediu porém os massacres, como o de Strasbourg em 1349, que matou centenas de judeus.

………..

O Pogrom de Strasbourg por Emile Schweitzer, 1894

……….

Na epidemia que devastou Milão no século 16, São Carlos Borromeu (1538-1584) incentivava os padres a se envolverem diretamente com os doentes a fim de colaborarem com a salvação de suas almas. O santo fazia uma relação direta entre estar com os necessitados, colocando-se em risco ao entrar em contato direto com os doentes, e o martírio cristão. Sua ideia ecoava o ensinamento de Santo Tomás de Aquino, que afirmava ser necessário expor seus corpos aos perigos em vistas de uma bem maior, a salvação.

……….

“Virgem Maria em apoio a Carlos Borromeu”, Johann Michael Rottmayr, 1714

………

No século seguinte, a epidemia que deixou por volta de 1 milhão de mortos na Itália levou a uma movimentação mais contundente da Igreja em vistas de contê-la. Com a larga experiência pregressa, o papa Urbano 8º (1568-1644) criou a Congregação Sanitária na Cúria Romana em 1630 com intuito de prevenir e limitar o contágio de possíveis doenças, que teve papel de destaque na epidemia de 1659 e que havia tocado Roma de maneira mais violenta. Combinando sua autoridade religiosa e política, o papa Alexandre 7º (1599-1667) colocou em marcha uma complexa burocracia, o que levou à conhecida quarentena da região de Trastevere. Além disso, de acordo com Guenter B. Risse, foram canceladas procissões e outras cerimônias religiosas e solicitado aos fiéis que rezassem pelos doentes e mortos na privacidade de suas casas. Nos dias em que a pandemia ainda se alastrava, às 2 horas da manhã tocavam os sinos das principais igrejas de Roma, convocando os fiéis às suas sessões de oração com a promessa de uma indulgência para aqueles que rezavam três Pais-Nossos e três Ave-Marias. Mesmo fora dos estados papais, buscou-se conter a expansão da doença, oferecendo igrejas e conventos como instalações improvisadas de isolamento e envio de padres para confortarem com seus sacramentos os doentes.

A pandemia de gripe espanhola, séculos depois, também nos rememora algumas histórias sobre a atuação da Igreja que precisou se organizar em vistas de ajudar no estancamento do contágio. Nos EUA, uma história comovente sobre a atuação de freiras naquele período veio à tona em março lembrada por Kiley Bense e publicada no The New York Times. Ao realizar uma pesquisa na American Catholic Historical Society of Philadelphia, a escritora encontrou um documento com o título “Work of the Sisters During the Epidemic of Influenza, October 1918”. Avisados pela Cruz Vermelha que a Filadélfia não tinha quantidade suficiente de enfermeiros para tratar os infectados pela influenza, em rápido crescimento, o arcebispo da cidade apelou para que as freiras da diocese deixassem os conventos e se juntassem às equipes médicas. Sem qualquer experiência na área e pouco contato com o mundo externo, 2.000 irmãs responderam à solicitação do arcebispo e se arriscaram no combate à doença. Responsabilizaram-se por uma região da cidade, cuidando de imigrantes provenientes da Itália, Ucrânia, Polônia e China. Segundo Bense, no final da epidemia, 23 irmãs haviam morrido da gripe e o reconhecimento dos trabalhos prestados chegou pela voz do prefeito da cidade: “Nunca vi uma demonstração maior de caridade ou auto-sacrifício real”, disse ele, “independentemente do credo ou da cor das vítimas, para onde as freiras eram enviadas”.

A história das epidemias no Ocidente entrelaça-se com a história da Igreja Católica e com a de centenas de homens e mulheres que se doaram com o objetivo de levar cura e conforto para os que sofriam. Além de nos lembrar da precariedade que atravessa a experiência humana sem distinção, ela nos lança novamente a questão sobre o papel das religiões no espaço público contemporâneo.

…………..

“A Extrema Unção”, Poussin, 1639

…………

Rodrigo Coppe Caldeira

Rodrigo Coppe Caldeira é Historiador e Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. É líder do Laboratório de Estudos em Religião, Modernidade e Tradição (LeRMOT) da PUC Minas. (As opiniões do autor são de cunho pessoal e não refletem necessariamente a posição oficial da instituição). (Twitter: @rodrigocoppe)