Joaquim Nabuco: o espírito inglês

por Andrei Venturini Martins

…………..

Estudar a biografia de Joaquim Nabuco é uma forma de investigar a História do Brasil. Não foram poucos os eventos vivenciados pelo autor: A Lei do Ventre Livre (1871); a Lei dos Sexagenários (1885); a abolição da escravidão (1888); o advento da República (1889); a Revolta da Armada (1891-1894); a criação da Embaixada do Brasil em Washington (1905), na qual foi o primeiro embaixador.

………..

Nabuco, 1902

………….

Alguns desses eventos marcaram sua vida pessoal. Dizia que os anos terminados com o número 9 sempre são acompanhados por acontecimentos marcantes. Em carta a Graça Aranha, datada em 1º de dezembro de 1908, Nabuco destaca: “49, o nascimento; 59, o internato (a separação de casa); 69, o Recife; 79, o Parlamento e a Abolição[1]; 89, o casamento e a queda da monarquia; 99, a diplomacia. Que será o nove sem mais nada?”.[2] Nos últimos dez anos de vida, dedica-se à carreira diplomática, porém, já com a saúde fragilizada, faleceria no dia 17 de janeiro de 1910, em Washington.

………
.…….…….
………

Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo nasceu em Pernambuco, na fazenda de Massangana, perto do Cabo de Santo Agostinho, localizado 50 km ao sul do Recife. Tanto a família paterna, os Nabuco Araújo, quanto a materna, os Aurélio Barreto, eram de origem portuguesa. Vale destacar, contudo, que o lado paterno tinha uma tradição política: o tio-bisavô, o avô e o pai foram senadores.

Quando Nabuco nasceu, seu pai tinha um compromisso no Rio de Janeiro e não podia submeter o recém-nascido às dificuldades da viagem. O infante permaneceu na fazenda de Massangana, sob os cuidados de sua madrinha, Ana Rosa Falcão de Carvalho, com quem viveria os primeiros oito anos de sua vida. Ali aprendeu a ler e escrever. Sua madrinha, sempre muito cuidadosa, contratou um professor particular para introduzi-lo ao mundo das letras. Para não sentir a monotonia da solidão em classe, Nabuco tinha a companhia de seus amigos de infância, filhos dos escravizados daquela fazenda. Em Minha Formação, obra autobiográfica, Nabuco descreveria esse período pueril como uma espécie de Paraíso:

………..

Durante o dia, pelos grandes calores, dormia-se a sesta, respirando o aroma, espalhado por toda parte, das grandes tachas que cozia o mel. O declinar do sol era deslumbrante, pedaços inteiros da planície transformavam-se em uma poeira de ouro; a boca da noite, a hora das boninas e dos bacuraus[3], era agradável e balsâmica, depois o silêncio dos céus estrelados, majestoso e profundo. De todas essas impressões, nenhuma morrerá em mim.[4]

……………..

O jovem Nabuco (Arquivo Nacional)

………….

Em um belo dia, contudo, se depara com o mal: é a Queda do Paraíso. Nabuco estava sentado na escada que dava acesso ao exterior da casa, quando de repente um jovem escravizado abraça seus pés e suplica ao menino que interceda junto à sua madrinha para que o comprasse, pois se continuasse onde estava seria mais uma vítima da fúria de seu impiedoso senhor. Após aquela cena dramática, a escravidão deixou de ser uma instituição comum de seu cotidiano e Nabuco nunca mais a encarou com os mesmos olhos: “Foi esse o traço inesperado que me descobriu a natureza da instituição com a qual eu vivera até então familiarmente, sem suspeitar a dor que ela ocultava”.[5] Foi o primeiro grande choque de sua vida. O segundo aconteceu quando tinha 8 anos: Nabuco acorda com os soluços dos escravos — pois não havia nada mais angustiante e terrível do que a mudança de senhor, já que nunca se sabia quem seria o novo carrasco — e recebe a notícia do falecimento de sua madrinha. Esse acontecimento fechou sua infância e o conduziu ao enfrentamento do mundo.

Levado para o Rio de Janeiro, onde seus pais moravam, passou por um breve período de estranhamento pela distância do lar, mas não tardou a se acostumar à nova casa. Na capital do Império, primeiro frequentou um internato, depois, o Colégio Pedro II. Em 1865, já em São Paulo, começaria o curso de Direito, no Largo São Francisco.

Viveu ativamente o ambiente escolar, e não custou a se tornar um dos grandes representantes estudantis do Partido Liberal. Não há dúvidas de que esse espírito liberal moldou a atuação política de Joaquim Nabuco, que exerceu quatro mandatos como deputado. Além disso, engajou-se firmemente no movimento Abolicionista, que surgiu em 1869 e foi o primeiro movimento popular do Brasil, com a participação de estudantes, professores, artistas populares, escritores, músicos e políticos.[6]

Para Nabuco, seria um contrassenso a existência de um partido liberal em um país de escravos. Mesmo após a abolição, acreditava que a macabra instituição ainda atuaria no cenário nacional, como uma sombra: “Eu não acredito que a escravidão deixe de atuar, como até hoje, sobre o nosso país quando os escravos forem todos emancipados”.[7] Para além da luta contra a escravidão, o filósofo pernambucano foi um pensador liberal de matriz anglo-saxã: “Com efeito, quando entro para a Câmara, estou inteiramente sob a influência do liberalismo inglês”.[8] É na raiz do liberalismo de Nabuco que este ensaio pretende se concentrar.

Em 1873, faz sua primeira viagem para o exterior, percorrendo inúmeros países do velho continente, como França, Inglaterra, Itália e Suíça. Dessa viagem, além das impressões culturais — museus, arquitetura, igrejas, arte —, também se destaca a marcante influência que a política liberal inglesa deixara em seu intelecto. Os dados e influências recolhidos auxiliariam o jovem Nabuco a desenhar uma postura política que ele denominou, de modo muito particular, de espírito inglês: “O que entendo por espírito inglês neste caso é a norma tácita de conduta a que a Inglaterra toda aparece obedecer, o centro de inspiração moral que governa todos os seus movimentos”.[9] Essa inspiração moral é princípio orientador do espírito inglês, o qual abarcava inúmeros valores: “Politicamente, o espírito inglês pode decompor-se em espírito de tradição, em espírito de realidade, em espírito de ganho, em espírito de força e generosidade, em espírito de progresso e melhoramento, em espírito de ideal: supremacia anglo-saxônica e supremacia cristã do mundo”.[10] Aproximemo-nos um pouco mais desses desdobramentos do espírito inglês.

………
.…….…….
………
Instituições Ancestrais

Diferentemente do espírito revolucionário francês, que em nome de uma radical reforma política havia destruído os vínculos com o passado, o espírito inglês é zeloso por suas instituições ancestrais. A primeira é a monarquia. “A rainha Vitória é mais do que augusta, cuja imagem cada família venera em seu lararium interior”.[11] O inglês carrega consigo uma veneração por essa forma de governo, sempre associada ao diversificado imaginário moral que ela representa. Além da monarquia, o espírito inglês enaltece a Constituição. O povo vê na Constituição uma “procuração em causa própria”.[12] Consuetudinária, ela não surgiu pela ideação de um único homem, “mas espontaneamente, inconscientemente, como a língua inglesa”.[13] Com uma Constituição testada pelo tempo — distante das formulações políticas aventureiras, pautadas por princípios abstratos — e por uma monarquia forte, o espírito inglês afirma a tradição como base de sua postura política.

………………….

Tradição e liberdade

Assim como os conhecimentos de arquitetura capacitariam o estudioso a admirar a grandeza e o detalhe de uma catedral gótica, também a tradição produziria no inglês “a faculdade de admirar a massa histórica de uma instituição”,[14] ou seja, a estrutura que a sustenta. É através do praejudicium — instituições e valores que a contingência da história foi capaz de conservar — que o espírito inglês avalia o movimento da história e toma as suas decisões. Dentre os valores mais admirados pelo espírito inglês, e base do temperamento que o molda, estaria a liberdade, o grande atributo do homem. A liberdade é a capacidade de os indivíduos se desenvolverem, entretanto, isso só é possível dentro de uma ordem estabelecida. Trata-se da ordem social, a qual é a “verdadeira arquitetura social”.[15]

…………………….

Ordem Estabelecida: apreço pela lei e pela autoridade

Essa tendência à perpetuidade, marcada pela instituição monárquica e pela Constituição, as quais expressam valores como tradição, liberdade e ordem, são o fundamento do espírito inglês. Contrariando o latino, que “pode viver e ser feliz em um solo político oscilante, sujeito a terremotos contínuos”,[16] o inglês, diz Nabuco, precisa de um chão firme para viver. É por isso que o espírito inglês tem amor e apreço pela lei e pela autoridade encarregada de executá-la, entre as quais o juiz. Portanto, essa veneração pela monarquia, o respeito à Constituição, à tradição, à liberdade, à ordem, à lei e à autoridade constituída formam uma organização política que não tem como fundamento a abstração da razão, mas uma superstição pelo costume.[17]

………………..

Aperfeiçoamento e Progresso

O desdobramento prático da disposição consuetudinária do espírito inglês é o espírito de aperfeiçoamento e progresso. O resultado disso são as reformas, as quais deverão respeitar regras governamentais elementares:

1ª Regra: Conservar o que não é obstáculo para o melhoramento indispensável.

2ª Regra: Que o melhoramento justifique o sacrifício, seja da tradição ou do preconceito (instituições e valores), que impede o progresso.

3ª Regra: Respeitar o inútil das épocas passadas: somente demolir o prejudicial.

4ª Regra: Substituir tanto quanto possível de forma provisória, confiando que o tempo testará o novo material, para enfim rejeitá-lo ou consagrá-lo.

5ª Regra: reformar no sentido originário da instituição, procurando o traçado primitivo, ou seja, reformar retomando aquilo que já é conhecido e experimentado.

Ressalvadas duas interdições:

1ª Interdição: “Nenhum explosivo é legítimo, porque a ação não pode ser de antemão conhecida; é preciso demolir a nível e compasso, retirando pedra por pedra, como foram colocadas”.[18]

2ª Interdição: “O que, porém, dirige o espírito do progresso é o espírito de realidade, espírito prático, positivo, que se manifesta na rejeição de tudo que é teórico, a priori, tentativo, lógico, ou que pretenda à perfeição, à finalidade, à uniformidade, à simetria”. [19]

Vemos pelas diretrizes acima que o espírito de progresso é prático. Assim como as plantas dependem de inúmeros fatores que permitam seu crescimento — como a quantidade de luz, água e tempo de aclimatação —, também as novas instituições devem ter afinidades com as vigentes, caso contrário, aquilo que é novo não dá frutos e prejudica o que já existia. Esse aperfeiçoamento deve trazer progresso, que, por sua vez, precisa atender a dois critérios: ser utilitário, para que as reformas tragam vantagens econômicas (benefícios justificados por algarismos[20]), e moral, para que as vantagens econômicas não prejudiquem as instituições imaginativas, os valores morais, a unidade nacional e a disposição religiosa. As reformas, portanto, devem atender o equilíbrio entre o critério utilitário (vantagem econômica) e moral (costumes).

………
.…….…….
………

É esse espírito inglês, monárquico, admirador da Constituição, da tradição, da liberdade, da ordem, amante da lei e da autoridade, afeito aos costumes, à lei e à autoridade, reformador e prático que exercerá influência na atuação política de Joaquim Nabuco. Ao declarar seu espírito inglês na política, associa-o à monarquia, que, na visão do autor, possui uma tênue relação com o liberalismo: “O liberalismo, mesmo radical, não é só compatível com a monarquia, mas até parece aliar-se com o temperamento aristocrático”.[21] Mas como explicar essa afirmação típica do espírito inglês (ou temperamento aristocrático), que vincula a monarquia — e todos os valores que ela comporta — ao liberalismo? A resposta estaria em uma comparação entre as formas de governo monárquica e republicana.

Quando Nabuco escreveu as memórias de sua primeira viagem à Europa, o Brasil já havia se tornado um país republicano. Sua relação com essa forma de governo era de profunda aversão, pois via o republicanismo como uma afronta à liberdade. Para ele, havia nos republicanos um fermento pulsante de ódio. “Antes de tudo, o republicanismo francês, que era e é o nosso, tem um fermento de ódio, uma predisposição igualitária que logicamente leva à demagogia”.[22] Marcada pela intolerância, a República mostrava-se agressiva em nome da predisposição igualitária, conducente a regimes autoritários, como o estado militar francês após a revolução de 1789. Além do ódio, considerava os republicanos intolerantes. Nos dias de crise, o republicanismo, excitado pelo poder e preocupado com o perigo de perdê-lo, é acometido por aquilo que Nabuco chama de reclusão mental: “Dá-se somente quando o espírito se encerra em algum sistema filosófico ou fanatismo religioso, em uma doutrina ou em uma previsão social qualquer, e aí se isola inteiramente do mundo externo”.[23] O republicanismo, seja francês ou brasileiro, era considerado por ele como uma espécie de reclusão mental, ou seja, assim como o fanático religioso não está disposto a considerar outros sistemas de fé diferentes do seu, também o republicano estaria acometido pela paixão de que a sua forma de governo seria a única formatação possível do Estado. Assim, a reclusão mental — e suas intransigentes crenças políticas —, explicava o repúdio revolucionário aos seus oponentes por meio do terror sanguinário.

Foi essa intolerante atmosfera política que permeou o republicanismo francês: “A intolerância é uma fobia da liberdade e do mundo; é um fenômeno de retração intelectual, produzindo a hipertrofia ingênua da personalidade”.[24] A hipertrofia, esse crescimento repentino, imprevisto e excessivo do poder, é a manifestação mais genuína do orgulho em política: o revolucionário cultua sua forma de governo como uma imagem de si mesmo e, em seguida, de forma narcísica, quer submeter a todos ao mundo ideal que ele imagina ter em seu intelecto.

…………….

Machado de Assis e Joaquim Nabuco

………………

………………..

Notas:

[1] O movimento abolicionista teve início em 1869. A participação mais ativa de Joaquim Nabuco nesse movimento ocorreu a partir do ano de 1879, ocasião em que foi eleito deputado pela primeira vez. O resultado desse trabalho do parlamentar – assim como da ação efetiva de muitos intelectuais, artistas, populares e, principalmente, dos escravizados, que reagiam corajosamente contra a instituição escravocrata brasileira – foi o 13 de Maio de 1888. Sobre a historiografia da resistência por parte dos escravizados, ver Ênio José da Costa BRITO, Leituras Afro-Brasileiras: Ressignificações Afrodiásporicas Diante da Condição Escravizada no Brasil. Jundiaí, Paco Editorial, 2018, vol. I e Lilia M. SCHWARCZ, e Flávio GOMES, Flávio (orgs.). Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

[2] Nabuco a Graça Aranha apud Joaquim Nabuco, Diários: 1873-1910. 2. ed. Rio de Janeiro, Bem-Te-Vi, 2006, p. 690 (dia 1º de agosto de 1909, nota 402).

[3] Trata-se de uma ave noturna, de plumagem muito macia, voo silencioso e que se alimenta de insetos.

[4] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 187.

[5] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 190.

[6] Ver Angela ALONSO. Flores, Votos e Balas: O Movimento Abolicionista Brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

[7] Joaquim NABUCO. O Abolicionismo, p. 157.

[8] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 185.

[9] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 127.

[10] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 128.

[11] Joaquim NABUCO.  Minha Formação, p. 128.

[12] Joaquim NABUCO.  Minha Formação, p. 128.

[13] Joaquim NABUCO.  Minha Formação, p. 128.

[14] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 128.

[15] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 128.

[16] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 128.

[17] O termo “superstição” não tem uma conotação pejorativa. Neste caso, significa a posição favorável à disposição consuetudinária do povo inglês, se contrapondo ao racionalismo político de verve francesa.

[18] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 130.

[19] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 130.

[20] Cf. Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 130.

[21] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 73.

[22] Joaquim NABUCO. Minha Formação,p. 73.

[23] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 73.

[24] Joaquim NABUCO. Minha Formação, p. 73.

………

……..

Post scriptum: Publicação prevista para o 2º semestre de 2021: MARTINS, Andrei Venturini. Joaquim Nabuco: um abolicionista liberal do Brasil. São Paulo: É Realizações, 2021, 402p.

…….

……..

Andrei Venturini Martins

Andrei Venturini Martins é Doutor em Filosofia pela PUC-SP. Professor no Instituto Federal de São Paulo (IFSP), palestrante na Casa do Saber e pesquisador do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo/PUC-SP LABÔ.