A estrutura do negacionismo

por Rodrigo Toniol

………………………..

Katharine Hayhoe é uma cientista política que se tornou figura pública nos debates sobre mudanças climáticas nas últimas duas décadas. Ocupando esse espaço sobretudo nos Estados Unidos, Hayhoe rapidamente parece ter percebido que o que este tema traz à tona são duas urgências que, embora conectadas, demandam movimentos analíticos e estratégias de ação bastante distintas. De um lado, a urgência do próprio processo de aquecimento do globo, que caminha rapidamente para situações irreversíveis e cada vez mais comprometedoras para a manutenção da vida no planeta. De outro, a atenção ao amplo conjunto de atores que têm se engajado nos debates sobre o tema a partir de sua negação, ora negando a realidade do fenômeno em si, ora mobilizando um argumento frouxo que enxerga em ações globalmente concertadas, como tratados internacionais e consórcios de pesquisas, atitudes “globalistas”, que esconderiam propósitos de uma espécie de imperialismo climático.

…………………

Katharine Hayhoe

……………………….

Diante deste quadro, Hayhoe fez do negacionismo seu próprio objeto de investigação, identificando em suas variadas versões e formas de expressão uma espécie de estrutura, cuja reprodução não se limita aos grupos de negacionistas climáticos, mas, pelo contrário, assume contornos bastante semelhantes a despeito do objeto que se está negando. Descritos na forma de estágios, já que marcados temporalmente pelo próprio avanço das catástrofes que se procura negar, essa estrutura poderia ser descrita a partir de sete máximas:

(1) não é real;

(2) não é com a gente;

(3) não é tão ruim;

(4) é caro demais para resolver;

(5) encontramos uma solução excelente (solução essa que invariavelmente é ineficaz);

(6) agora é tarde demais;

(7) você devia ter me avisado antes.

Há pelo menos dois aspectos da proposição mais geral de Hayhoe que devem ser retidos. O primeiro é que negacionismo é antes de tudo uma atitude, um modo de agir no mundo a partir do qual a negação é apenas uma de suas formas de manifestação. Negar é parte do que fazem os negacionistas que, nem por isso, devem ser confundidos com a simples negação. Isso implica também em dizer que o negacionismo não é atitude passiva, mas sim parte de uma posição ativa, que postula realidades de mundo numa agenda que pouco tem de defensiva. A dificuldade de reconhecer esse fato não parece distante de análises que teimam em apresentar agendas políticas, por mais socialmente retrógradas que sejam, como produtoras de mundo.

O segundo aspecto a ser retido diz respeito à natureza da negação dos negacionistas. Estruturalmente, o objeto da negação não são os fatos, não é isso o que está em jogo. Antes, nega-se o próprio enunciador daquilo que se nega. Pautada por um falso dialogismo, essa aparente controvérsia é a base de movimentos de aniquilação da alteridade. É assim que àquele que enuncia o que é negado restam apenas dois lugares possíveis: o de habitante de um outro mundo e, por isso, cuja existência é tão externa quanto indiferente; e o de alheio aos reais problemas, cuja controvérsia em questão é apenas a menor parte.

Entre o primeiro e o segundo aspectos aqui descritos há uma óbvia relação: a atitude negacionista é propositiva também porque ela é geradora da força de agendas de eliminação e de destituição de mundo. É nesse sentido que negar a realidade das mudanças climáticas, negar a concretude de uma pandemia, negar a escravidão é o meio e não o fim. Em todos esses casos, o objeto em questão é sempre um aliado e não um inimigo.

…………

(Reprodução: Reuters/Lindsey Wasson)

…………

…………….

Rodrigo Toniol

Rodrigo Toniol é Professor de antropologia da UFRJ e Pesquisador do LAR/Unicamp.