O viés do progresso tecnológico

..

O viés do progresso tecnológico

..

Laura Knight, ‘Ruby Loftus Screwing a Breech Ring’, 1943

..

por João Ricardo Costa Filho

..

Progresso é aquela palavra que carrega o peso da história e a responsabilidade pelo futuro. Esse futuro pode oferecer um maior padrão de vida (do ponto de vista material), fundamentalmente, pelas diferentes formas de aumentar a produtividade. O caminho alternativo, aquele que se baseia no acúmulo cada vez maior de fatores utilizados para gerar os bens e serviços disponíveis em uma economia, como o capital e o trabalho, até pode funcionar por um tempo, mas, como trabalhei neste ensaio, uma vez exploradas essas oportunidades, o tal do “fazer mais com mais” não se sustenta no longo prazo.

Naturalmente, você pode me perguntar, padrão de vida de quem? Eu poderia ser tentado a responder, ingenuamente, “o de todo mundo”. Mas você me olharia com desconfiança, afinal, como diria a minha mãe, “todo mundo é muita gente”.

Será que o avanço da tecnologia beneficia todos da mesma forma?

Os dados de mais de cinco décadas revelam um fato curioso: os salários dos trabalhadores com maior educação aumentam sistematicamente, mesmo com a oferta desses trabalhadores também crescendo. Como explicar isso?

Sabemos que, ao estudarmos e nos qualificarmos, podemos oferecer no mercado de trabalho uma mão-de-obra mais produtiva, que as empresas podem vir a valorizar e pagar maiores salários. Obviamente, o mercado de trabalho é muito mais complexo do que isso. Há problemas para que empresas e candidatos se encontrem, há dificuldades em garantir que os dois lados da barganha cumprirão o combinado, há o que chamamos de “poder de monopsônio” (ou de oligopsônio), quando há apenas uma empresa (ou poucas empresas) que contrata(m) e muitos trabalhadores disputando poucas vagas, o que aumenta a capacidade dessas empresas de jogar os salários de todos para baixo, sem falar em diversos problemas de discriminação e outras falhas, apenas para dar alguns exemplos. Mas fiquemos com essa relação: educação aumenta a produtividade (e/ou sinaliza que o indivíduo é mais produtivo) e isso pode abrir oportunidades para um salário maior, em média.

Quando as pessoas percebem essa relação da educação e dos salários, aquelas que têm acesso a essas oportunidades buscam se capacitar ainda mais e mais pessoas qualificadas participam do mercado de trabalho. O resultado desse aumento da oferta “deveria” ser a queda na diferença entre os salários dos trabalhadores mais qualificados em relação aos menos qualificados. O que observamos, no entanto, é que essa diferença tem aumentado!

Como explicar esse fenômeno? Quantidade e salário só podem aumentar, simultaneamente, se algo fizer com que a demanda pelos trabalhadores mais qualificados cresça mais do que a oferta. E o que faria isso acontecer? Pode ser que exista um mecanismo no progresso tecnológico que favoreça os trabalhadores mais qualificados. Um certo viés do tipo de tecnologia empregada/desenvolvida. O termo técnico é o skill-biased technical change, ou em uma interpretação livre, o viés para certas habilidades que a mudança tecnológica possui.

Como o progresso tecnológico pode favorecer um tipo de trabalhador? Podemos obter algumas pistas na síntese escrita por Gianluca Violante ao dicionário de economia da Palgrave.[1] Trabalhadores mais qualificados possuem uma maior adaptabilidade a novas tecnologias (eles aprendem a aprender). Isso faz com que sejam ainda mais atrativos para as empresas. Adicionalmente, novas tecnologias podem diminuir a “hierarquização”, produzindo menos atividades rotineiras e especializadas e mais atividades em equipes, o que necessita de certas habilidades específicas que esses trabalhadores com maior educação possuem.

Mas as novas tecnologias não são feitas para substituir a mão de obra por máquinas? Bom, tudo depende de como o trabalhador ‘sobe na construção’.[2] Se após beijar os seus filhos (sejam eles únicos ou pródigos) o trabalhador “subi[r] a construção como se fosse máquina”, teríamos o que os economistas chamam de substituibilidade entre o capital e trabalho. Agora, caso ele “sub[a n]a construção como se fosse sólido”, talvez exista aí o que chamamos na literatura de complementaridade entre capital e trabalho.

O tipo de progresso econômico no século passado e, ao que parece, também neste começo de século, tem sido feito com tecnologias que tornam o capital complementar aos trabalhadores mais qualificados. No século 19, no entanto, o progresso foi feito com avanços que proporcionaram a troca de trabalho por capital, e o efeito, curiosamente, foi o de diminuir as diferenças salariais.[3] Essa mudança de tipo de viés do progresso tecnológico pode, inclusive, ajudar a explicar por que há um declínio nas economias desenvolvidas da parcela da renda apropriada pelos trabalhadores.[4]

..

Lewis Hine, ‘Addie Card, 12 years old. Spinner in cotton mill, North Pownal, Vermont, 1910’

..

Mais do que habilidades, tarefas

Se há esse viés do progresso tecnológico em função do tipo de capital que empregado na produção (o que chamamos de investment-specific technological change), quais são as fontes do da diferença entre os salários dos trabalhadores com base nas habilidades que eles possuem? Krusel, Ohanian Ríos‐Rull, e Violante elencam três pilares: o crescimento da quantidade relativa entre trabalhadores, o crescimento da eficiência relativa entre os trabalhadores e o efeito da complementaridade.[5]

No primeiro caso, se a taxa de crescimento da quantidade de trabalhadores com menos habilidades for maior do que a taxa de crescimento da quantidade de trabalhadores com mais habilidades, há um aumento do salário relativo desses últimos, que se tornam mais escassos ao longo do tempo.

O segundo ponto diz respeito à produtividade relativa entre os trabalhadores. Se a produtividade dos trabalhadores com mais habilidades cresce mais rápido do que a produtividade dos trabalhadores com menos habilidades, os primeiros veem os seus salários serem aumentados em comparação a esses últimos.

Finalmente, se a taxa de crescimento do estoque de máquinas e equipamentos for maior que a taxa de crescimento da quantidade de trabalhadores com menos qualificação, há outra fonte de aumento relativo dos salários. Por isso que os autores elaboram que a proteção de certos setores não funciona, uma vez que não se trata apenas da quantidade relativa dos tipos de trabalhadores (ou dos tipos de bens e serviços que são vendidos e que utilizam mais um ou outro tipo de trabalhador), mas também a complementaridade entre habilidades e capital é um fonte dessa desigualdade.

Há, no entanto, uma literatura que ganha corpo e aborda a questão do viés no progresso tecnológico não necessariamente pelas habilidades que os trabalhadores possuem, mas em relação aos tipos de tarefas que eles desempenham nas empresas. Acemoglu e Restrepo abordam a questão da automação e o diferencial de salários como resultado do conjunto de tarefas desempenhadas pelos trabalhadores menos qualificados.[6] Não seria algo de substituir o tipo de trabalho, mas sim o tipo de tarefa e é a relação entre essas tarefas e as características do trabalhador que faz com que um grupo se torne mais beneficiado e outro perca no processo de avanço tecnológico.

A automação aumentaria a produtividade da economia e dos fatores de produção como um todo, mas se esse aumento não for grande o suficiente e se os trabalhadores mais qualificados possuem vantagens no tipo de tarefa nova surge com a automação, a diferença dos salários aumenta.

Nessa linha, o recente trabalho para discussão de Brinca, Duarte, Hans e Oliveira é interessante, porque apresenta uma explicação para o aumento na desigualdade de renda dos salários nos Estados Unidos em função da investment-specific technological change.[7]

Os autores utilizam quatro tipos de tarefas em função de quão rotineira elas são e se são predominantemente cognitivas ou mais manuais. Os trabalhadores se veem defrontados com a escolha sobre quanto capital humano acumular em um ambiente no qual não conseguem se proteger perfeitamente de riscos idiossincráticos (como, por exemplo, serem demitidos) e a consequência disso é que o tipo de investimento que é feito afetam a demanda por capital e trabalho e, consequentemente, a exposição das famílias.

Quando o preço de máquinas e equipamentos cai, as tarefas mais rotineiras e manuais feitas por trabalhadores começam a ser desempenhadas por máquinas, o que diminui a demanda por trabalhadores com menor educação (por serem substituídos), mas aumenta a procura por trabalhadores com maior educação (por serem complementares às máquinas e equipamentos).  Como o custo para adquirir maior qualificação torna impraticável que todos aqueles que queiram possam aproveitar o consequente aumento relativo nos salários, aumenta a dispersão da remuneração e a desigualdade.

Assim, compreender a maneira como o processo tecnológico ocorre, os ganhadores e os perdedores, bem como as consequências para o desenho das políticas econômicas de curto e de longo prazo é crucial para que possamos objetivar um futuro com mais oportunidades para todos. Não é lutar contra o processo nem, necessariamente, contra o seu viés, mas acomodá-lo e criar mecanismos para que a sociedade como um todo se beneficie dele.

..

William Bell Scott, ‘Iron and Coal’, 1855-60

..

..

Notas:

[1] Violante, G. L. (2008). Skill-biased technical change. The new Palgrave dictionary of economics, 2, 1-6.

[2] Tomo a liberdade aqui de me apropriar (e utilizar certa licença poética) de trechos da música “Construção” de Chico Buarque para uma analogia sobre a substituição e/ou a complementaridade entre capital e trabalho.

[3] Acemoglu, D. (2002). Technical change, inequality, and the labor market. Journal of economic literature, 40(1), 7-72.

[4] Karabarbounis, L., & Neiman, B. (2014). The global decline of the labor share. The Quarterly journal of economics, 129(1), 61-103.

[5] Krusell, P., Ohanian, L. E., Ríos‐Rull, J. V., & Violante, G. L. (2000). Capital‐skill complementarity and inequality: A macroeconomic analysis. Econometrica, 68(5), 1029-1053.

[6] Acemoglu, D., & Restrepo, P. (2020, May). Unpacking skill bias: Automation and new tasks. In aea Papers and Proceedings (Vol. 110, pp. 356-61).

[7]Brinca, P., Duarte, J., Holter, H. & Oliveira, J. (2019). Technological Change and Earnings Inequality in the U.S.

..

..

João Ricardo Costa Filho

João Ricardo Costa Filho é Doutor em Economia pela Universidade do Porto, é Postdoctoral Fellow na UECE/Universidade de Lisboa e professor da FGV/SP. (Twitter: @costafilhojoao)