De “classificado” a “tombado”: por que a política de preservação cultural urbana no Brasil não funciona

Salvo exceções, como Rio de Janeiro e Belo Horizonte, pode-se dizer que enquanto as políticas preservacionistas brasileiras não forem mais flexíveis, diversificadas e abrangentes, continuaremos a ver nosso acervo arquitetônico ser diariamente empobrecido por demolições, com a perda da identidade de bairros e cidades.

Ler mais

Por que não ambicionamos novos ícones arquitetônicos?

Uma construção icônica não se dá unicamente pela arquitetura, que é “apenas” um dos componentes para isso. São vários os fatores que fazem com que uma edificação seja representativa de sua cidade.

Ler mais