A branquitude se visibiliza

“O negro nasce e se descobre em um mundo velho e desgastado pela escravidão. O branco nasce em um mundo sempre novo e promissor; quando descobre a realidade do racismo, tem o privilégio de escolher lutar contra ele (e receber as honrarias de um herói) ou se abster de um problema que, afinal, não lhe diz respeito.
Assim, em nossa realidade, as duas identidades — branca e negra — fecham-se nos dois lados de um símbolo — o universal e o particular, o incondicionado e o condicionado.” Por Adriano Moraes Migliavacca, uma proposta de reflexão sobre o conceito de branquitude.

Read more

O racismo enquanto exercício de predicação

“A inferioridade negra foi uma mentira extremamente bem contada; elaborada para durar séculos. O sucesso dessa mentira garante que ela não se dissipará se a ignorarmos; ela não morrerá de inanição. Sua impugnação não ocorrerá senão com uma longa, consciente e ativa reformulação das ideias que temos não só sobre pessoas negras, mas também sobre pessoas brancas.” Um ensaio de Adriano Moraes Migliavacca sobre o racismo enquanto exercício de predicação.

Read more

O Sentido Africano: Cultura e cultivo de si

O desentendimento das culturas africanas deu origem, entre algumas assim ditas “elites intelectuais” ocidentais, a comentários infames do tipo “Mas onde está o Shakespeare africano?”, “Nunca ouvi falar de um Tolstói zulu”. O fato é que qualquer um que tenha alguma familiaridade com bens culturais da África negra sabe que estes são tudo menos erupções meramente instintivas e espontâneas.

Read more

A Memória Moldada no Barro

por Adriano Moraes Migliavacca

“A vida era a mistura de tudo e de todos, dos que foram, dos que estavam sendo e dos que viriam a ser”. O leitor talvez se pense diante de uma frase tomada de algum escrito do filósofo irlandês Edmund Burke. No entanto, a fonte dessas palavras está significativamente mais próxima de nós,

Read more

O Ifá: uma tradição oral

Na dinâmica do Ifá, declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO, temos no centro as informações sobre a vida do consulente; ao redor, os eventos e objetos do dia-a-dia; acima o deus do acaso que observa a tudo.

Read more

O Mundo africano de Wole Soyinka

A visão de Senghor se baseava em uma unidade racial – de fundo biológico ou espiritual – inerente aos africanos e seus descendentes espalhados pelo mundo; uma visão que, sob o nome de Negritude, veio a angariar tanto aderentes quanto dissidentes e que, devido exatamente à fixidez racial em que se baseava, hoje figura apenas como um momento histórico da formação intelectual africana moderna.

Read more