A serpente no ovo: Carl Schmitt e as democracias do século XXI

por Juliana Fonseca Pontes

……………….

“The evil that men do lives after them.”

Shakespeare, Julius Caesar

…………………..

Detalhe de pintura do séc. XIX na qual Brutus vê o fantasma de César

……………………………….

Carl Schmitt (1888-1985) foi um dos mais influentes e controversos juristas do século XX. Durante a República de Weimar, empreendeu implacável oposição ao liberalismo e ao pluralismo consubstanciados na Constituição alemã de 1919 e advogou uma teoria jurídico-política autoritária no raso e nas profundezas. Em 1933, por meio de um pacto mefistofélico, o jurista se filiou ao Partido Nazista e se tornou, para muitos, o Kronjurist do III Reich.

A despeito (ou em razão) de sua intolerância beligerante, o professor William E. Scheuerman avalia que a obra de Carl Schmitt nunca foi tão popular e que o jurista acumula hoje uma significativa coleção de discípulos.[1] É forçoso subscrevê-lo: as lições schmittianas parecem estar na ponta da língua dos radicais de extrema-direita e seus conceitos já tomaram o debate público, as discussões legislativas e os gabinetes presidenciais. Carl Schmitt é o intelectual da vez — outra vez — e, para enfrentá-lo, é preciso, como Chantal Mouffe sugeriu, pensar com e contra ele.[2]

Uma de suas elaborações teóricas mais problemáticas — e mais populares — entre os reacionários dos dias atuais é a relativa ao conceito de igualdade democrática. Em sua Teoria da Constituição (Verfassunglehre, 1928), Schmitt argumenta que a igualdade possível em democracias é uma de tipo substancial: os integrantes do povo devem constituir um corpo social homogêneo por força do compartilhamento de uma substância comum, referente, por exemplo, à raça, fé ou tradição,[3] que os defina como um agrupamento semelhante em contraposição a outros povos, potencialmente inimigos. A democracia não se estrutura, para ele, sobre uma ficção do direito que reconhece e trata todos os cidadãos “como se fossem iguais”.[4] Diferentemente, é um regime de poder em que, a partir de algum critério objetivo e concreto, os cidadãos são iguais, reproduzem identicamente algum elemento social específico.[5] A igualdade normativa só surgiria em um segundo momento, para formalizar a igualdade entre os já “substancialmente iguais” e para promover seus desdobramentos — igualdade de direitos, igualdade no acesso à cargos públicos, sufrágio universal, serviço militar obrigatório etc.[6]

………………

Carl Schmitt

……………………

Para Schmitt, o regime democrático, entendido como aquele em que um povo se autogoverna, é verificável na identidade entre governantes e governados, entre dominadores e dominados, entre os que mandam e os que obedecem[7]. Neste ponto, ele e Hans Kelsen, seu nêmesis liberal e positivista, concordam.[8] No entanto, em A crise da democracia parlamentar (Die geistesgeschichtliche Lage des heutigen Parlamentarismus, 1923), o jurista defende que essa identificação exige que o povo seja homogêneo, caso não seja, que se “elimine ou aniquile o heterogêneo”.[9] Como exemplos, menciona a Turquia que, naquele momento, realizava a repatriação forçada de gregos residentes e promovia a “turquificação” no país — em qualificação sua, “sem concessões” — e a Austrália, que aplicava leis rígidas de imigração e, como observa elogiosamente, só permitia a entrada daqueles que correspondiam ao “right type of settler”.[10]

No mesmo texto, Schmitt tece duras críticas ao parlamentarismo, que considera uma expressão do sistema metafísico liberal, e defende que seu design institucional construído em torno do debate público paralisaria o Estado por promover o fenômeno romântico das “discussões intermináveis” (ewige Gespräch), como caracteriza em Teologia Política (Politishe Teologie).[11] Essas discussões e, no limite, a divergência e o dissenso, seriam consequências forçosas do pluralismo em sociedade que, por sua vez, teria espaço graças ao princípio liberal da igualdade abstrata e normativa — se todos são iguais perante a lei, têm igual direito de viver segundo suas consciências e de ver representadas as suas convicções no Parlamento.

Nesse sentido, liberalismo e democracia são, para Schmitt, inconciliáveis: enquanto o liberalismo exigiria a afirmação primordial da igualdade abstrata — o que franquearia oportunidade para a manifestação da diferença —, a democracia exigiria homogeneidade. Em razão desse suposto descompasso, lhe é inconcebível algo como uma democracia liberal e é nessa esteira que afirma que o fascismo e o bolchevismo, bem como qualquer ditadura, são antiliberais, mas não são antidemocráticos, porque constituem regimes de poder em que a vontade do povo é “educada” para a formação da homogeneidade.[12]

Um regime democrático próximo do ideal, para Schmitt, é um em que o povo, uma vez constituído como grupo social homogêneo livre dos “obstáculos” do pluralismo, tornaria prescindíveis o debate público e o voto secreto. Para tomar decisões, se reuniria publicamente e exerceria seu poder de forma direta, por meio do que o jurista chama de “aclamação” (aclamatio), dizendo “sim” ou “não” ao que lhe é perguntado. Joel Klein explica, em excelente artigo sobre o tema, que o povo também escolheria seu líder por meio desse procedimento de aclamação, de modo que mesmo a partição do poder em Executivo e Legislativo se tornaria desnecessária, tendo em vista que o líder aclamado poderia expressar corretamente a vontade do povo.[13] Schmitt não vislumbra qualquer inadequação teórica necessária entre a constituição ideal das democracias e regimes ditatoriais.[14]

Ademais, Schmitt escreve que uma democracia pode excluir uma parte da população sem deixar de ser democracia, tendo em vista que uma igualdade sempre pressuporia uma desigualdade.[15] A história, para ele, provaria isso: muitos regimes democráticos conviveram com a escravidão ou tiveram como jurisdicionados pessoas com poucos ou quaisquer direitos. Para tornar essa elaboração mais clara, lembro aqui que, em O conceito do político (Der Begriff des Politischen, 1932), Schmitt afirma que o político (das Politischen) diz respeito essencialmente à distinção entre amigos e inimigos e que todos os conceitos políticos possuem um sentido “polêmico”, ou seja, têm em vista a possibilidade concreta da oposição de um grupo de pessoas a outros. Concebe que “termos como Estado, república, sociedade, classe, . . . etc., são incompreensíveis se não se souber quem, in concreto, deve ser posto em causa, combatido, negado e refutado”.[16] Logo, sendo o conceito de igualdade um conceito político, ele também ensejaria a possibilidade da distinção entre sujeitos.[17] Para o alemão, não é possível a afirmação de uma igualdade entre todas as pessoas e nenhuma democracia no mundo teria empreendido essa façanha.[18] Sua teoria iliberal da democracia é uma que tem na exclusão um pressuposto lógico.

Como o leitor deve ter notado, não são silenciosos os ecos dessa retórica no debate público mundial. Líderes de extrema-direita são bastante vocais no seu entendimento da democracia como, na certeira expressão de Scheuerman, uma “política de identidade”,[19] demandando a afirmação de uma homogeneidade substancial entre os cidadãos que permita a sua distinção em relação ao que é estranho ou inimigo. Wendy Brown nota que as políticas neoliberais contemporâneas estimularam a ascensão de discursos extremistas homogeneizantes na Europa, que se deixam intuir pelos seus slogans: “a França para os franceses” (Le Pen e a Frente Nacional), “Recupere o controle” (Brexit), “Nossa cultura, nosso lar” (Alternativa para a Alemanha), “Polônia pura, Polônia branca” (Partido Polonês da Lei e Justiça), “Mantenha a Suécia sueca” (Democratas Suecos).[20]

……………………..

‘Não deixemos Soros rir por último’, em outdoor na Hungria

…………………….

Nos Estados Unidos, o cenário não é diferente: o filósofo e historiador Jan-Werner Müller, se referindo ao governo de Donald Trump, asseverou que “quem exatamente é excluído e como — sejam mexicanos por meio de um muro ou muçulmanos por de meio uma prova religiosa — pode variar de dia para dia”. [21] Mas alguém há que ser excluído. A América é lugar para os americanos — para os “real Americans”, os “real citizens”. Müller parece ter acertado no seu diagnóstico: o populismo de direita dos dias atuais encontra seu centro gravitacional na rejeição enérgica ao pluralismo.[22]

No Brasil, discursos que parecem apelar a esse tipo de homogeneidade substancial também estão na ordem do dia. A categoria do “cidadão de bem”, folclórica no imaginário moral brasileiro, tem sido evocada para acompanhar argumentos que parecem subscrever Schmitt, quando este diz que “nas democracias, só existem a igualdade dos iguais e a vontade daqueles que pertencem aos iguais”.[23] Para quem engrossa o coro dessa retórica, o grupo homogêneo de pessoas que supostamente constitui o povo brasileiro é definível a partir de critérios objetivos e aqueles que não os preenchem satisfatoriamente ou não merecem ter direitos ou são verdadeiros inimigos nacionais — e, aqui, vale observar que a possibilidade de declaração de uma inimizade intraestatal é concebida por Schmitt em O conceito do político.[24]

A democracia liberal possui latentes deficiências, fragilidades e limitações, umbilicalmente associadas ao modo como o capitalismo organiza e sustenta as estruturas de poder. O raciocínio jurídico liberal, que a acompanha, também apresenta imensas dificuldades como, por exemplo, a de compreender os fenômenos sociais a partir de categorias coletivas, como raça, gênero e classe — que afetam diretamente a experiência da cidadania pelos sujeitos — e, consequentemente, a de aplicar o direito em ativa consideração à arquitetura dos sistemas de subordinação (sobre o tema, recomendo a leitura do ensaio do Professor Filipe Campello A cegueira da justiça, publicado aqui no Estado da Arte, assim como a obra Pensando como um negro: ensaio de hermenêutica jurídica, do professor Adilson Moreira).

Mas se ambos, tanto o design liberal de organização e limitação do poder quanto seu raciocínio jurídico correlato, nos valem de alguma coisa, nos valem precisamente para isto: para dispensar a exigência de termos que reproduzir alguma rubrica concreta para que possamos ser considerados institucional e juridicamente “cidadãos”. Em outras palavras, para nos livrar da ameaça de termos que integrar um bloco social monolítico e homogêneo, a partir de critérios exigidos pela ideologia política que ocupa o poder, para vivermos em sociedade, gozarmos de proteção do direito e sermos contemplados por políticas públicas.

No mais, à essa altura do campeonato, não é possível fingir que não se sabe o que essa retórica de igualdade substantiva é capaz de edificar e, principalmente, o que é capaz de destruir. Todo alarme é insuficiente.

Carl Schmitt está de volta — e não se pode subestimá-lo.

…………….

Carl Schmitt e Ernst Jünger

……………..

Notas:

[1] SCHEUERMAN, William. The End of Law – Carl Schmitt in the Twenty-First Century. Londres/Nova Iorque: Rowman & Littlefield International, 2020, p. ix.

[2] MOUFFE, Chantal. The Challenge of Carl Schmitt. Londres/Nova York: Verso, 1999, p. 6.

[3] SCHMITT, Carl. Teoria de la Constituicíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996, p. 224-225.

[4] Ibidem.

[5] Schmitt concede que o “povo” só existe como sujeito idêntico de forma abstrata e que, na realidade, as massas são sociológica e psicologicamente heterogêneas. No entanto, defende que o esforço, em um regime democrático, deve se dar no sentido de obter homogeneidade, não diferença. SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 26.

[6] SCHMITT, Carl. Teoria de la Constituicíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996, p. 224-225.

[7] Ibidem, p. 230.

[8] “Democracia significa identidade entre governantes e governados, entre sujeito e objeto do poder, governo do povo sobre o povo”. KELSEN, Hans. A democracia. 2 ed. Tradução: Ivone Castilho Benedetti, Jefferson Luiz Camargo, Marcelo Brandão Cipolla, Vera Barkow. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 35.

[9] SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 10.

[10] Ibidem.

[11] SCHMITT, Carl. Politische Theologie. Berlim: Duncker & Humbolt, 2015, p. 59.

[12] SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 16.

[13] KLEIN, Joel Thiago. A teoria da democracia de Carl Schmitt. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 16, n. 25, p. 139-156. Set. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/444. Acesso em: 19 out 2020.

[14] O jurista não só não acredita existir inadequação teórica entre ditaduras e democracias como defende que “uma Ditadura, em particular, só é possível em bases democráticas, enquanto contradiz os princípios do Estado Liberal de Direito”. SCHMITT, Carl. Teoria de la Constituicíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996, p. 232.

[15] “Uma igualdade que não tivesse outro conteúdo senão a igualdade comum de todos os homens por si próprios seria uma igualdade apolítica, pois lhe faltar o correlato de uma possível desigualdade. Toda igualdade recebe sua significação e sentido por meio do correlato de uma possível desigualdade; e é tanto mais intensa quanto maior é a desigualdade contrastante daqueles que não são iguais. Uma igualdade sem possibilidade de desigualdade, uma igualdade que existe por si mesma e não pode ser perdida, não tem valor e é indiferente”. SCHMITT, Carl. Teoria de la Constituicíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996, p. 224.

[16] SCHMITT, Carl. O conceito do político. Tradução: Alexandre Franco de Sá. Lisboa: Edições 70, 2018, p. 59

[17] “O conceito democrático de igualdade é um conceito político e, como todo conceito político autêntico, deve estar relacionado com a possibilidade de uma distinção”. SCHMITT, Carl. Teoria de la Constituicíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996, p. 224.

[18] SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 11-12

[19] SCHEUERMAN, William. The End of Law – Carl Schmitt in the Twenty-First Century. Londres/Nova Iorque: Rowman & Littlefield International, 2020, p. 334.

[20] BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. Tradução Mario A. Marino e Eduardo Altheman C. Santos. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019, p. 13-14.

[21] MÜLLER, Jan-Werner. Real Citizens. Boston Review. 2016. Disponível em: http://bostonreview.net/politics/jan-werner-muller-populism. Acesso em 13 dez 2020.

[22] A respeito desse argumento, ver MÜLLER, Jan-Werner. What is populism? Pennsylvania: University of Pensylvania Press, 2016.

[23] SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 16.

[24] “Esta necessidade de uma pacificação intra-estatal conduz, em situações críticas, a que o Estado, enquanto unidade política, enquanto existir, determine a partir de si também o inimigo interno. Daí que em todos os Estados haja, numa forma qualquer, aquilo que o direito do Estado das repúblicas gregas conhecia como declaração de πoλέµoζ, e o direito do Estado romano como declaração de hostis, espécie de ostracismo, de banimento, de proscrição, de perseguição, de colocação hors-la-loi, numa palavra, de declaração de inimizade intra-estatal que, mais suave ou mais incisivamente, surgem ipso facto ou atuam com base em leis especiais sob a forma da justiça, que são abertas ou escondidas em circunscrições gerais”. SCHMITT, Carl. O conceito do político. Tradução: Alexandre Franco de Sá. Lisboa: Edições 70, 2018.

……………….

Referências

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. Tradução Mario A. Marino e Eduardo Altheman C. Santos. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019.

MOUFFE, Chantal. The Challenge of Carl Schmitt. Londres/Nova York: Verso, 1999.

MÜLLER, Jan-Werner. Real Citizens. Boston Review. 2016. Disponível em: http://bostonreview.net/politics/jan-werner-muller-populism. Acesso em 13 dez 2020.

MÜLLER, Jan-Werner. What is populism? Pennsylvania: University of Pensylvania Press, 2016.

SCHEUERMAN, William. The End of Law – Carl Schmitt in the Twenty-First Century. Londres/Nova Iorque: Rowman & Littlefield International, 2020.

SCHMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Tradução Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996, p. 26.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Tradução: Alexandre Franco de Sá. Lisboa: Edições 70, 2018.

SCHMITT, Carl. Politische Theologie. Berlim: Duncker & Humbolt, 2015.

SCHMITT, Carl. Teoria de la Constitucíon. Tradução: Francisco Ayala. Madri: Alianza Editorial, 1996.

…….

………..

Juliana Fonseca Pontes

Juliana Fonseca Pontes é pesquisadora do Grupo de Pesquisa Filosofia Prática: Investigações em Política, Ética e Direito (CNPq/CESUPA).