Cartas da Malásia: A Ásia em Penang

“Desde que cheguei à Malásia, no final de janeiro, ficou reforçada em mim uma indagação presente desde a adolescência, sobre quão parecida ou diferente a Ásia seria do Ocidente. Essa questão conduz a outra, que é a de entender se há algo que caracterize a Ásia, que a torne um continente diferente dos outros. O que faz da Ásia a Ásia?” Iniciamos hoje a série Cartas da Malásia — relatos, crônicas, textos e contextos do diplomata brasileiro Ary Quintella, hoje em Kuala Lumpur. Cartas da Malásia, enfim. Muito apropriadamente: “Cada país”, afinal, “é a soma das suas fases históricas, e das etapas de sua evolução cultural, assim como cada ser humano carrega em si tudo o que já viveu.”

Read more

O racismo enquanto exercício de predicação

“A inferioridade negra foi uma mentira extremamente bem contada; elaborada para durar séculos. O sucesso dessa mentira garante que ela não se dissipará se a ignorarmos; ela não morrerá de inanição. Sua impugnação não ocorrerá senão com uma longa, consciente e ativa reformulação das ideias que temos não só sobre pessoas negras, mas também sobre pessoas brancas.” Um ensaio de Adriano Moraes Migliavacca sobre o racismo enquanto exercício de predicação.

Read more

O Sentido Africano: Cultura e cultivo de si

O desentendimento das culturas africanas deu origem, entre algumas assim ditas “elites intelectuais” ocidentais, a comentários infames do tipo “Mas onde está o Shakespeare africano?”, “Nunca ouvi falar de um Tolstói zulu”. O fato é que qualquer um que tenha alguma familiaridade com bens culturais da África negra sabe que estes são tudo menos erupções meramente instintivas e espontâneas.

Read more

Unorthodox: retrato impreciso do judaísmo – e tudo certo

O mistério do desconhecido, o fascínio pelo que é diferente, diria o professor de estudos culturais, pode elevar a alma humana. Verdade. Mesmo, sem piada ou cinismo. Mas há sempre uma sementinha do mal ali: o fascínio pelo exótico tem um quê de fetiche que termina em um sadismo. É o paradoxo de “Unorthodox”.

Read more